quarta-feira, 30 de maio de 2012

Dica: fábulas de Leonardo da Vinci


Muitos conhecem Leonardo da Vinci como o genial artista da Renascença que pintou a Mona Lisa. Mas o que a maioria não sabe é que ele também escreveu algumas fábulas! Estes textos estão reunidos no livro Fábulas, alegorias, adivinhações (Edições SM, 2010) e são fruto das observações que da Vinci fazia dos fenômenos da natureza ou das relações entre objetos, como o simples fato de uma caneta poder riscar um papel. Todas as fábulas são acompanhadas de ilustrações da talentosa Edith Derdyk, que confere à narrativa formas soltas, próprias da arte contemporânea.


As histórias também ganharam uma adaptação em CD, intitulado Fábulas de Leonardo da Vinci (Biscoito Fino), com narrações dos atores Paulo Goulart, Beth Goulart e Patrícia Pilar. No início de cada faixa, o CD conta com uma sensibilização para os sons de diferentes instrumentos musicais utilizados nos arranjos de Alfredo Sertã. Eis uma excelente oportunidade de conhecer as fábulas de Leonardo da Vinci, em livro ou em CD, e, de bônus, uma pequena aula de música!






Alfredo Sertã e Patrícia Pilar nas gravações de Fábulas de Leonardo da Vinci

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Rescenseamento - crônica de Rubem Braga


Recenseamento
Rubem Braga

São Paulo vai se recensear. O governo quer saber quantas pessoas governa. A indagação atingirá a fauna e a flora domesticadas. Bois, mulheres e algodoeiros serão reduzidos a números e invertidos em estatísticas. O homem do censo entrará pelos bangalôs, pelas pensões, pelas casas de barro e de cimento armado, pelo sobradinho e pelo apartamento, pelo cortiço e pelo hotel, perguntando: - Quantos são aqui? Pergunta triste, de resto. Um homem dirá: - Aqui havia mulheres e criancinhas. Agora, felizmente, só há pulgas e ratos.
E outro: - Amigo, tenho aqui esta mulher, este papagaio, esta sogra e algumas baratas. Tome nota de seus nomes, se quiser. Querendo levar todos, é favor.
E outro: - Eu? Tinha um amigo e um cachorro. O amigo se foi, levando minhas gravatas e deixando a conta da lavadeira. O cachorro está aí, chama-se Lorde, tem três anos e meio e morde como um funcionário público.
E outro: - Oh! – sede  bem-vindo. Aqui somos eu e ela, só nós dois. Mas nós dois somos apenas um. Breve, seremos três. Oh!
 E outro: - Dois, cidadão, somos dois. Naturalmente o Sr. não a vê. Mas ela está aqui, está, está! A sua saudade jamais sairá de meu quarto e de meu peito!
E outro: - Aqui moro eu. Quer saber o meu nome? Procure uma senhorita loura que mora na terceira casa da segunda esquina, à direita. O meu nome está escrito na palma de sua mão.
E outro: - Hoje não é possível, não há dinheiro nenhum. Volte amanhã. Hein? Ah, o Sr. é do recenseamento? Uff! Quantos somos? Somos vinte, somos mil. Tenho oito filhos e cinco filhas. Total: quinze pestes. Mas todos os parentes de minha mulher se instalaram aqui. - Meu nome? Ahn... João Lourenço, seu criado. Jesus Cristo, João Lourenço. A minha idade? Oh! Pergunte à minha filha, pergunte. É aquela jovem sirigaita que está dando murros naquele piano. Ontem quis ir não sei onde com um patife que ela chama de "meu pequeno". Não deixei, está claro. Ela disse que eu sou da idade da pedra lascada.
Escreva isso, cavalheiro, escreva. Nome: João Lourenço; profissão: idiota; idade: da pedra lascada. Está satisfeito? Não, não faça caretas, cavalheiro. Creia que eu o aprecio muito. O Sr. pelo menos não é parente da mulher. Isso é uma grande qualidade, cavalheiro! É a virtude que eu mais admiro! O Sr. é divino, cavalheiro, o Sr. é meu amigo íntimo desde já, para a vida e  para a morte!


segunda-feira, 14 de maio de 2012

Nova aquisição: Jogos Vorazes


Jogos Vorazes é uma coleção de  romances de ficção científica para jovens adultos escrito por Suzanne Collins. Originalmente publicado em  2008 pela editora Scholastic, nos Estados Unidos, foi lançado no Brasil em setembro de 2010.
A saga apresenta Katniss Everdeen de dezesseis anos, que vive em um mundo pós-apocalíptico no país de Panem, onde costumava ser os Estados Unidos, e onde poderosos governantes detém o poder em uma cidade central chamada de Capital.
No livro, os jogos vorazes são um evento anual transmitido pela televisão no qual a Capital escolhe um menino e uma menina de cada distrito para lutar até a morte. Tais jogos existem para demonstrar que nem mesmo as crianças estão acima do poder da Capital.

A obra de Suzanne Collins atingiu sucesso mundial, tornando-se best seller, após o lançamento do filme Jogos vorazes (Lionsgate, EUA, 2012) baseado na primeira obra da saga. A adaptação cinematográfica de Em chamas, segunda parte da saga, tem estreia prevista para novembro de 2013.
O Mundo da Leitura não poderia ficar de fora desse sucesso literário que promete ser o próximo Harry Potter, de J.K. Rowling (respeitando as individualidades e sem criar competitividade), por isso, adquiriu a série de Suzanne Collins, a qual está disponível para empréstimo aos acadêmicos e à comunidade em geral. Venha conferir!


trailer de Jogos vorazes

Novas aquisições: King e Lovecraft

A prática leitora Terror: páginas macabras, direcionada aos alunos de 7º, 8º e 9º anos do ensino fundamental, aborda o subgênero literário terror valendo-se de grandes autores como Edgar Allan Poe, Stephen King, H.P. Lovecraft e o brasileiro André Vianco. Em decorrência desse trabalho, o Mundo da Leitura, adquiriu novas obras que enriquecem o acervo e estão disponíveis para empréstimo a acadêmicos e  à comunidade em geral.
Confira as aquisições:


Nasce o Pistoleiro - HQ - A torre negra vol. I
Nasce o Pistoleiro é a adaptação para os quadrinhos de O Pistoleiro, primeiro volume da coleção "A Torre Negra", obra mais ambiciosa do escritor Stephen King. Agora lançado em formato álbum pelo selo Suma de Letras, a obra reúne os sete episódios da primeira etapa da saga, anteriormente lançados no formato gibi.
A adaptação do texto para a versão em quadrinhos ficou aos cuidados dos consagrados Peter David e Robin Furth (autora de The Dark Tower: A Concordance) e as ilustrações, dos quadrinistas Jae Lee e Richard Isanove.
Em Nasce o Pistoleiro, o leitor é apresentado ao personagem de Roland Deschain, último descendente do clã de Gilead, e derradeiro representante de uma linhagem de implacáveis pistoleiros desaparecida desde que o Mundo Médio onde viviam "seguiu adiante". Para evitar a completa destruição desse mundo já vazio e moribundo, Roland precisa alcançar a Torre Negra, eixo do qual depende todo o tempo e todo o espaço, e verdadeira obsessão para Roland, seu Cálice Sagrado, sua única razão de viver.

Traição - HQ - A torre negra vol. III
Terceiro volume da série de quadrinhos baseada no sucesso editorial "A Torre Negra", de Stephen King, a HQ Traição é assinada pela mesma equipe de criação de Nasce o pistoleiro. O roteiro das histórias é assinado por Peter David, escritor de HQs de ficção científica e responsável por clássicos como O incrível Hulk e Aquaman, com adaptação de Robin Furth, assistente de pesquisa do próprio King.
Na trama, as coisas não andam bem no Mundo Médio. Roland Deschain, o jovem pistoleiro cujo destino é encontrar e proteger a Torre Negra, é atormentado por terríveis visões geradas pela Toranja de Merlin, a esfera que tem o poder de prever o futuro. O Rei Rubro, inimigo maior dos habitantes do Mundo Médio, trama há tempos a destruição da Torre e da própria realidade em que Roland e seus amigos vivem. E Roland, confrontado pelas visões enviadas pela Toranja, não consegue ver com clareza que o plano nefasto já está em andamento.




A hora do vampiro, de Stephen King

Inspirado em Drácula, de Bram Stoker, o segundo livro da carreira de King, deu origem ao filme "Os Vampiros de Salem", dirigido por Tobe Hopper, de "O Massacre da Serra Elétrica".
Ambientado na cidadezinha de Jerusalem's Lot, na Nova Inglaterra, após a chegada de forasteiros, fatos inexplicáveis perturbam a rotina provinciana de Jerusalem's Lot: uma criança é encontrada morta; habitantes começam a desaparecer sem deixar vestígios ou sucumbem a uma estranha doença.

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Em Santigado da Compostela professora da UPF ministra conferência sobre literatura e cultura

                             


Foto: Divulgação UPF
Professora Tânia Rösing ministrou conferência na Universidade de Santiago de Compostela, na Espanha
Buscar mais conhecimento e trocar experiências são alguns dos objetivos da professora Dra. Tania Rösing em sua viagem pela Europa para realização de seu estágio pós-doutoral. Ela está pesquisando sobre o professor universitário e seu (des)compromisso com questões de leitura e de escrita acadêmicas, e aproveita a oportunidade para compartilhar com professores, pesquisadores e alunos de diferentes instituições seus estudos e experiências de leitura desenvolvidas em Passo Fundo. Nesta segunda-feira (07/05) Tania ministrou uma conferência na Universidade de Santiago da Compostela, Espanha.

Recepcionada pela professora Dra. Carmen Vilarino, a coordenadora das Jornadas Literárias falou para alunos de mestrado, doutorado e professores leitores de Língua Portuguesa. De acordo com ela, existe um grande interesse desse público em colocar em prática ações de cultura, como as que são realizadas em Passo Fundo. “Como há ensino de Língua Portuguesa, Literatura Portuguesa, Cultura Brasileira, Literatura Brasileira, há um grande interesse das pessoas nas Jornadas Literárias, na metodologia utilizada, nos resultados, na movimentação cultural”, observa.

Troca de experiências
A professora Tania também aproveitou a oportunidade para visitar a Universidade de Coruña. Na opinião dela, todas as universidades demonstram interesse em conhecer as ações realizadas no Brasil. Além disso, segundo ela, há um interesse pelos trabalhos práticos, embasados teoricamente, direcionados aos públicos da escola.

A participação da professora Tania na Universidade de Santiago da Compostela foi registrada pelo jornal digital La Voz de Galicia (o texto pode ser conferido aqui).


terça-feira, 8 de maio de 2012

Passo Fundo premia a escritores con una estancia en Santiago



La ciudad brasileña se convirtió en un relevante centro 

literario y de lectura

El Concurso Nacional de Contos Josué Guimarães, de la ciudad brasileña de Passo Fundo (situada a 300 kilómetros de Porto Alegre) galardonó a los vencedores de sus últimas ediciones con una dotación económica y una estancia en Santiago. En Compostela contactaron con alumnado y docentes, y conocieron la literatura gallega.

Un viaje cultural como ese es el mejor obsequio que se puede conceder, afirmó Tania Rösing, profesora de la Universidade de Passo Fundo y promotora del certamen. Invitada por el grupo de investigación Galabra explicó en Filología los resultados de las tres últimas décadas, en las que organiza las jornadas que han convertido esa ciudad en «Capital Nacional da Literatura» en Brasil.
Al comprobar cómo parte del alumnado universitario no leía y tenían dificultad para comunicarse por escrito, en 1981 empezaron a formar lectores. Las últimas semanas en Badajoz, y en las ciudades portuguesas de Castelo Branco, Évora, Coimbra y Oporto, comprobó que en Europa hay problemas semejantes y se abordarán en una reunión internacional para mejorar la escritura en el ámbito académico, afirmó.
«O noso compromiso é coa transformación da escola», afirma Rösing. Defiende que «educación e cultura teñen de ser traballadas xuntas» y que «a leitura debe ser un proceso multicultural e interdisciplinar».
Lectores y mediadores
Resaltó la importancia de la mediación para la lectura. La familia, la escuela, la biblioteca como centro multimedia, la universidad, la sociedad y ahora también las redes sociales, son los principales espacios de lectura y producción de textos, y deben formarse lectores que aprecien el patrimonio cultural y atiendan sus manifestaciones, sostuvo.
Las actividades de Passo Fundo congregan a miles de personas, y ha consolidado un movimiento cultural permanente y un proceso de formación de lectores y mediadores de lectura, con importante rentabilidad social. Presta atención a todas las edades: desde bebés a usuarios de Twitter, y de otros lenguajes contemporáneos «para exercer a cidadanía dunha forma digna», afirmó la profesora.

Professora ministra conferência na Universidade de Coimbra



Foto: Divulgação UPF
Conferência foi ministrada a professores, mestrandos e doutorandos em Letras
Professores, mestrandos e doutorandos da área de Letras da Universidade de Coimbra, Portugal, participaram de uma conferência, no último dia 04 de maio, ministrada pela professora da Universidade de Passo Fundo (UPF) Dra. Tania Rösing. A professora, que está na Europa para realização de seu estágio pós-doutoral – ela estuda o professor universitário e seu (des)compromisso com questões de leitura e de escrita acadêmicas - aproveita a oportunidade para compartilhar suas pesquisas e as experiências de leitura desenvolvidas em Passo Fundo. Na conferência em Coimbra, tratou do tema Leitura: área de formação transversal em todos os níveis de ensino.

Ela relata que os professores portugueses estão interessados em ações que os aproximem das universidades brasileiras. “A tradição de pesquisa da Universidade de Coimbra não prioriza o ensino no contexto das escolas, dos professores, da realidade multicultural, da diversidade cultural que caracteriza um país como o Brasil. Há uma crítica desses professores ao Protocolo de Bolonha, ao mesmo tempo em que há uma satisfação por estarem sendo diagnosticados problemas de desempenho de alunos e, consequentemente, lacunas no ensino universitário”, explica Tania, lembrando que o
Protocolo de Bolonha, em desenvolvimento em toda a Europa, faz emergir problemas sérios de leitura e de escrita em todos os níveis de ensino, com destaque aos estudantes universitários das mais diferentes áreas. Entre os docentes que participaram da conferência, destacam-se Cristina Mello, Paulo Pereira, Ana Maria Machado, Albano Figueiredo e José Luís Pires Laranjeira.

A professora da UPF também foi recebida, na Universidade de Coimbra, pelo diretor do curso de Mestrado em Letras Dr. Albano Figueiredo, pelo coordenador do Núcleo de Disciplinas Materialidades da Literatura nos programas de mestrado e de doutorado em Letras Dr. Manuel Portella, pelo catedrático de literatura africana, referência internacional nessa área Dr. José Luís Pires Laranjeira e pelo diretor do curso de Doutorado em Letras Dr.; Paulo Pereira, além do Dr. José Augusto Bernardes, diretor da Biblioteca da Universidade de Coimbra, que abriga mais de um milhão de títulos. As visitas e conferência na Universidade de Coimbra foram organizadas pela professora Dr. Cristina Mello, da Didática de Língua e de Literatura na Faculdade de Letras. Foi ela também que organizou um encontro da professora Tania com a Dr. Luísa Alves Pereira, da Universidade de Aveiro, Porto, pertencente ao grupo internacional de pesquisa sobre a escrita acadêmica a partir do Protocolo de Bolonha.

De acordo com a professora Tania, há um grande interesse da Universidade de Coimbra em desenvolver intercâmbios internacionais com universidades brasileiras de grande e médio porte, a partir da excelência em distintas áreas. Os docentes da instituição portuguesa destacaram que vão se empenhar para viabilizar um termo aditivo entre a UPF e Universidade de Coimbra para intercâmbio nas áreas de pesquisa e pós-graduação – as universidades já tem convênio-marco de cooperação. “O entusiasmo pela UPF se dá pela experiência crescente em projetos de formação de leitores, a partir da trajetória das Jornadas Literárias e da experiência de práticas leitoras multimidiais desenvolvida há 15 anos no Centro de Referência de Literatura e Multimeios - Mundo da Leitura”, explica Tania.

O posicionamento do Dr. Albano Figueiredo diz respeito à necessidade de professores e alunos trocarem estágios nas duas instituições, fazendo visitas que possam resultar em investigações conjuntas e em publicações capazes de promover os avanços na área em escolas dos dois países. “Considerando a necessidade de ampliar a internacionalização da UPF, as possibilidades de ampliação de protocolos de cooperação com universidades europeias são muito importantes”, justifica Tania.


segunda-feira, 7 de maio de 2012

Novas aquisições


Se você é fã de literatura de terror, venha conferir as novas aquisições do Mundo da Leitura.



Os sete, de André Vianco

Uma caravela portuguesa de cinco séculos é resgatada de um naufrágio no litoral brasileiro. Dentro dela, uma misteriosa caixa de prata esconde um segredo: sete cadáveres aprisionados, acusados de bruxaria.
Apesar das advertências grafadas no objeto de prata, a equipe do Departamento de História da Universidade Soares de Porto Alegre decide violar a caixa, para estudar os corpos. Afinal, que perigos poderiam oferecer aqueles sete cadáveres? Nenhum. Mas depois que o primeiro acorda...



Sementes no gelo, de André Vianco
Em Sementes no gelo, o leitor ingressa no mundo de espíritos atormentados, impedidos de reencarnar. Muitos se enraivecem e lançam sua fúria sobre todos que lhe chamam atenção e interpõe seus caminhos.
Um detetive, por acaso, desvenda os mistérios em torno desses espíritos, tornando-se o inimigo número um das perigosas entidades.







Contos fantásticos do século XIX, escolhidos por Italo Calvino

Os Contos fantásticos do século XIX foram selecionados pelo escritor Italo Calvino para uma série da televisão italiana, em 1983. Aqui estão as várias faces do sobrenatural: são histórias de fantasmas e de horror, do onírico, do macabro, do exótico e do misterioso.
Os contos foram escritos por 26 autores do século XIX, de tradições literárias as mais diversas: de Hoffmann e Walter Scott a Kipling e H. G. Wells, passando, por Gogol, Poe e Andersen, entre outros, além de autores considerados "realistas" famosos, como Balzac, Dickens, Maupassant e Henry James. Todos procuram, atrás da aparência cotidiana dos fatos, um mundo encantado ou infernal que, mais do que assustar o leitor, o deixe perplexo: é verdade ou mentira, sonho ou alucinação?





As terras devastadas – A torre negra volume III, de Stephen King

No terceiro volume da saga “A torre negra”, Roland e seus companheiros descobrem o Caminho dos Feixes de Luz. São seis os feixes, e nas extremidades de cada um deles estão os 12 portais que marcam as fronteiras do Mundo Médio. Roland acredita que na interseção desses feixes — no centro de seu mundo — está a Torre Negra. Enquanto isso, Jake Chambers é trazido de volta para o Mundo Médio por Eddie e Susannah. Em Lud, uma cidade devastada, Roland toma conhecimento de um trem que pode levá-los até a Torre. O veículo está em um local chamado Berço de Lud, no centro de uma milenar guerra civil entre duas raças mutantes, os Pubs e os Greys. No entanto, o Berço é apenas a fachada de uma complexa rede de computadores que se estende por todo o subterrâneo de Lud. No controle desta rede está Blaine, um trem nada comum, habitado por um espírito malévolo e enlouquecido pelo tempo. Pegá-lo significa embarcar numa aventura mortífera.

sábado, 5 de maio de 2012

Socialmente

crônica de Antonio Prata
Publicado na revista Wish

Como todo mundo, eu comecei pelo e-mail. Algumas vezes por dia, no meio de um texto, minimizava o Word e abria o Outlook. Não é que eu estivesse à espera de alguma mensagem importantíssima – como percebi com o tempo, importa menos a mensagem do que a expectativa em relação a ela, o milionésimo de segundo em que vemos surgir aquela linha em negrito e pensamos: quem será? O que dirá? É como a bolinha girando na roleta, a carta deslizando sobre o feltro verde, em sua direção; o futuro numa compota; o porvir num grão de areia.
Percebi que a coisa estava fugindo ao meu controle quando me peguei, diante da caixa de entrada vazia, clicando ansiosamente no ícone “enviar e receber” — uma, duas, três vezes em seguida. Como todo viciado, inventava justificativas para não encarar a situação. Dizia a mim mesmo: se clico tanto é porque pode ter algum e-mail preso ali, nalgum gargalo eletrônico, precisando apenas de uma chacoalhada pra cair. Ou: vai que alguém me escreveu justamente um segundo depois da primeira clicada? É preciso tentar de novo, e de novo, e…
Enquanto fiquei apenas no e-mail, a vida seguiu sua marcha – um pouco mais lenta, claro, devido a tantas interrupções postais, mas seguiu. O e-mail, agora sei, é a maconha do mundo digital. Viciante, sim, mas não muito nocivo. A droga que iniciaria minha derrocada, a cocaína do mundo virtual, ainda estava para ser inventada: o Orkut.
Quando ele apareceu, em 2006, eu caí de nariz. Abandonava trabalho, família, interrompia sexo e refeições no meio só para percorrer, de um lado pro outro, eufórico, as catacumbas sem fim daquele inferno azul bebê. Brotava conhecido de tudo quanto era lado: primo que você não via desde 83, namoradinha da terceira série, a turma inteira do segundo B se comunicando: “não acredito, o Luba virou veterinário!”, “nossa, a Vanessinha ficou gostosa!”, “quem aí lembra da Mariana Leme, que espirrou na aula de ciências e voou meleca na professora?!”.
Quando a moda passou e percebi que se não via todos aqueles conhecidos havia duas décadas era por não termos mais patavinas em comum, já era tarde: estava completamente viciado em rede social.

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Entidades discutem ações para estimular a leitura em Passo Fundo


Reunião da Comissão Municipal do Livro e da Leitura contou com a participação e palestra do Frei Beto

Foto: Leonardo Andreoli
Palestra com Frei Betto Reuniu centenas de pessoas na última quarta-feira (02/05)
A leitura e a escrita permitiram ao homem muito mais do que guardar a história através dos séculos. Por meio da literatura, o homem encontrou uma forma de manter ativo o universo imaginário que é essencial para que a vida possa continuar de forma saudável. A leitura, que muitas vezes é deixada de lado, é estimulada em Passo Fundo por diversos projetos e atividades como as Jornadas Literárias, o Projeto Livro do Mês, os Túneis da Leitura, os Largos da Literatura, entre outros. Na última quarta-feira (02/05), as diversas entidades que compõem a Comissão Municipal do Livro e da Leitura, entre elas a Universidade de Passo Fundo (UPF) e a Prefeitura de Passo Fundo, receberam a visita do Frei Betto. O encontro, no Sesc, serviu para congregar as ações em prol da literatura no município a fim de ampliar o índice de leitura, que é o maior do Brasil, com 6,5 livros por ano, por habitante.

A reunião com a Comissão do Livro e da Leitura de Passo Fundo também teve o objetivo incluir ações no Plano Municipal do Livro e da Leitura. De acordo com Maria Augusta D’Arienzo, membro da comissão pela Prefeitura, o Frei Betto foi convidado para estimular os educadores a repensarem o seu papel. “Queremos que as pessoas se envolvam no fomento da leitura nessa grande movimentação cultural que existe em Passo Fundo pela formação de leitores e também de mantermos nosso índice ou ampliá-lo”, salienta. A comissão é formada por membros da UPF, Jornada Literária, Academia Passo-Fundense de Letras, 7ª Coordenadoria Regional de Educação e a União das Associações dos Moradores de Bairro de Passo Fundo (Uampaf).

De acordo com o professor da UPF Eládio Vilmar Weschenfelder, membro da comissão pela UPF, a vinda do Frei Betto estimula o Plano Municipal do Livro e da Leitura, uma referência nacional em termos da promoção da leitura. O professor destaca que, no Brasil, os índices de leitura ainda são muito baixos. “Temos um consumo nacional de livro/ano por pessoa que não chega a dois livros. Isso faz com que o Brasil tenha que criar planos para fazer do livro instrumento fundamental de cidadania e desenvolvimento do senso crítico”, pontua.

Encontro com Frei Betto
Na passagem por Passo Fundo, Frei Betto proferiu ainda uma palestra sobre a Leitura e a Humanização no Século XXI, tendo como local o Colégio Notre Dame Menino Jesus. Durante o encontro com mais de 500 pessoas, ele destacou que foi a partir da escrita que o homem começou a organizar o seu caos interior. “É só com a escrita que o cérebro humano encontra um sentido a partir da sua própria lógica e não a partir da oralidade autoritária”, afirmou. A escrita permitiu às pessoas cultivarem o universo onírico, imaginário, que é muito presente na infância e que muitas vezes se perde na idade adulta. “A infância é muito boa porque o universo onírico supera o racional. Só que isso não é só pra infância, isso é pra vida. Agora temos o senso do ridículo e não vamos brincar de casinha, mas é preciso trabalhar o universo onírico porque na hora em que ele é cortado, você vai para a depressão, o medicamento ou mesmo às drogas. O que não dá é para viver sem sonhar, e a literatura tem esse poder de nos fazer sonhar com o futuro, o passado e o presente”, finalizou.

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Professora da UPF realiza estágio pós-doutoral na Espanha


Objeto de estudo da professora Dra. Tania Rösing é o professor universitário e seu (des)compromisso com questões de leitura e de escrita acadêmicas

Foto: Divulgação UPF
Professora Tania (ao centro) junto dos professores Glorya Rivera e Eloy Martos Núñez
A professora da Universidade de Passo Fundo (UPF) e idealizadora das Jornadas Literárias Dra. Tania Mariza Kuchenbecker Rösing está na Espanha onde realiza estágio pós-doutoral na Universidade de Extremadura, em Badajoz. A professora estuda o professor universitário e seu (des)compromisso com questões de leitura e de escrita acadêmicas.

De acordo com ela, os professores não estão focados nas necessidades que os calouros têm sobre textos de natureza acadêmica e científica. “Eles pressupõem que os alunos são leitores, que conhecem essa linguagem nova e solicitam leituras complexas sem orientá-los sobre as características dessa nova linguagem”, pontua. Tania acrescenta que também é comum solicitarem textos acadêmicos sem orientar os estudantes sobre o tipo de linguagem a ser usada. “Isso faz com que muitas pessoas se formem em cursos superiores com dificuldades na leitura e na escrita”, afirma.

A primeira etapa do trabalho da professora Tania é composta por uma interlocução com intelectuais espanhóis, portugueses, latino-americanos, norte-americanos e brasileiros sobre o que deve ser feito pelo professor universitário nessas questões. O estágio em Badajoz foi constituído de reuniões com o professor Dr. Eloy Martos Núñez, coordenador da Red de Universidades Lectoras, integrada por 41 universidades portuguesas, espanholas e latino-americanas. Entre as brasileiras, apenas a UPF e a UNESP integram a rede. As reuniões envolveram também Glorya Rivera, Angel Munhoz e Alberto Garcia.

Sobre o estágio na Espanha, a professora relata, igualmente, a realização de reuniões e conferências que permitem uma discussão mais profunda sobre o compromisso da educação superior em estimular o aprofundamento da leitura, numa razão inversa à praticada nas redes sociais, leitura esta caracterizada pela superficialidade. “Outra questão que precisa ser refletida é a velocidade que caracteriza os tempos atuais, o que promove uma leitura também superficial, deixando de qualificar o envolvimento crítico dos leitores com os materiais de leitura se não forem preparados para tanto”, explica. A professora Tania também realizou uma conferência na Universidade de Évora sobre a experiência das Jornadas Literárias promovidas pela UPF e pela Prefeitura de Passo Fundo.



Professora compartilha experiências de leitura em instituições europeias



Foto: Divulgação UPF
Presidente do Instituto Politécnico Castelo Branco, Dr. Carlos Maia, entre as professoras Tania e Natividade Pires
Além de estar realizando seu estágio pós-doutoral, a professora do curso de Letras da Universidade de Passo Fundo (UPF), Dra. Tania Rösing, aproveita a estadia na Europa para compartilhar experiências na área da formação de leitores. Nos últimos dias de abril, esteve no Instituto Politécnico Castelo Branco e na Universidade de Coimbra, ambos em Portugal, onde já ministrou conferências. O novo compromisso, também em Coimbra, está agendado para este dia 04 de maio, oportunidade em que palestrará sobre Leitura: área de formação transversal em todos os níveis de ensino, no Programa de Pós-Graduação Literatura de Língua Portuguesa – Investigação e Ensino.

De acordo com a professora, todas as ações desenvolvidas integram suas investigações acadêmicas do estágio pós-doutoral na Universidade de Extremadura, em Badajoz, Espanha. O tema de seus estudos é o professor universitário e seu (des)compromisso com questões de leitura e de escrita acadêmicas. “Preciso conversar com professores universitários sobre suas atividades de leitura e de e escrita acadêmicas e a performance dos alunos universitários nessas questões”, explica.

Práticas leitoras
No Instituto Politécnico Castelo Branco, instituição portuguesa que integra a Red de Universidades Lectoras, liderada pela Dra. Natividade Pires, a conferência da professora Tania enfocou a movimentação literária que acontece em Passo Fundo, promovida pela UPF e Prefeitura Municipal. O público teve interesse em conhecer a forma de organização de práticas leitoras multimidiais dirigidas à educação infantil, do primeiro ao quarto ano do Ensino Fundamental, e pôde conhecer, igualmente, os desdobramentos de uma movimentação cultural permanente que ocorre em Passo Fundo, a capital Nacional da Literatura, com destaque para as ações do Centro de Referência de Literatura e Multimeios, o Mundo da Leitura da UPF, que completa 15 anos em 2012.

No diálogo ocorrido, Tania relata a preocupação dos portugueses com a questão econômica do país, ao mesmo tempo em que demonstraram interesse pelo desenvolvimento brasileiro, pelo financiamento de ações educacionais e culturais.

Possibilidade de investigações conjuntas
Ainda no Instituto Politécnico Castelo Branco, Tania foi recebida pelo presidente, Dr. Carlos Maia. “Há um grande interesse desse Instituto em estabelecer um convênio guarda-chuva com a UPF, garantindo ações de professores e de alunos das duas instituições, desde investigações conjuntas, até a mobilidade acadêmica e docente”, salienta. Conforme ela, Maia demonstrou grande preocupação com as condições do ensino superior em Portugal, onde 50,8% da população entre 25 e 64 anos conclui o Ensino Médio contra 72,7% da média europeia. Em nível superior, apenas 23% da população entre 30 e 34 anos é diplomada, quando a meta europeia para 2020 aponta os 40%. Maia entende que o ensino superior português vai ter de tomar a seu cargo a qualificação da população ativa. Na opinião dele, o processo de internacionalização garante aprimoramento dos distintos públicos envolvidos nas múltiplas ações emergentes dos intercâmbios.





Resenha: "Amor de menino", de Miguel Sanches Neto


Marina Garbin da Silva*


Em Amor de menino (Galera Record, 2008, 96 p.), o escritor e professor Miguel Sanches Neto, com muita sensibilidade, apresenta-nos o mundo em que vive sua personagem Raimundo. Assim, as descobertas e dificuldades do início da adolescência, pouco a pouco, convertem-se em aprendizado de vida, não somente para o garoto, mas para todos que venham a ler o romance.

Mundinho, apelidado pelos colegas de mudinho, não gosta nem um pouco do seu nome. Afinal, para ele, todos os seus problemas advêm disso: desde sua terrível timidez, que o consome de uma maneira sem igual, até a sua extrema dificuldade em fazer amizades e em se relacionar com as garotas. Seu pai, que também se chama Raimundo, é demitido. Nenhuma empresa gostaria de ter um funcionário com esse nome, não fica bem. Para o garoto, ser um Raimundo é um desastre, e imaginava como seria se fosse um Gabriel, um José ou, até mesmo, um João. O que fazer então? Trocar de nome? Formar uma gangue? Tornar-se um gramático? Nada disso. A solução é bem mais simples, e possui nome igualmente peculiar: Brunilda. 

Nesse belo romance, Neto propõe ao leitor uma postura reflexiva e, quiçá filosófica. Isso, devido ao caráter metafórico da obra, na qual, o que realmente importa, é a aceitação da própria identidade da personagem, considerando essa complicada fase adolescente. Afinal, o nome, assim como uma porção de outros fatores, não passa de uma casualidade ocorrida, em meio ao retalho de acasos que é a vida.

Amor de menino, obra escolhida para o Projeto Livro do Mês - 2012, é, sem dúvidas, uma ótima opção de leitura. O autor encanta o leitor pela forma com que escreve e descreve os acontecimentos da importante fase de transição existente entre criança e adulto. Por fim, a obra é dotada de características poéticas, sendo assim, uma introdução ao sentimento literário.


* Monitora do Centro de Referência de Literatura e Multimeios - Mundo da Leitura e acadêmica do curso de Letras na Universidade de Passo Fundo.